covid-19 e os animais de estimação

O surto de COVID-19 está a causar medo e incerteza para todos. Também é uma ameaça ao bem-estar dos animais de companhia, já que alguns donos temem que os animais possam espalhar o vírus. Assim, vamos aqui esclarecer algumas das perguntas e respostas mais procuradas:






A COVID-19 pode afetar animais de estimação?


Atualmente, existem evidências limitadas de que animais de estimação (cães e gatos) possam ser infectados pelo SARS-Cov-2 e não existem evidências de que cães e gatos possam ser uma fonte de transmissão para outros animais ou humanos. No entanto, esta é uma situação em rápida evolução e as informações serão atualizadas à medida que estiverem disponíveis.




Devo evitar o contato com animais de estimação ou outros animais se estiver doente com a COVID19?


Sim, deves restringir o contato com animais de estimação e outros animais enquanto estiveres doente com a COVID-19, assim como farias com outras pessoas.

Embora não hajam relatos de animais de estimação ou outros animais doentes com a COVID-19, é na mesma recomendável que pessoas doentes limitem o contato com animais, até que mais informações sejam conhecidas sobre o vírus.

Se possível, pede a um membro da tua família que cuide dos teus animais enquanto estiveres doente. Se isto não for possível e tiveres que cuidar dos animais enquanto estiveres doente, então neste caso deves evitar o contacto, ou seja, não acariciar, beijar nem compartilhar comida. É importante lavar as mãos antes e depois de interagir com os animais e, neste caso, deves usar uma máscara facial.




Se o meu animal esteve em contato com alguém doente com COVID-19, há possibilidade de transmissão da doença para outras pessoas?


Embora ainda não tenhamos completa certeza, existem evidências limitadas de que animais de estimação possam ser infectados ou transmitir o SARS-Cov-2. Também não existem evidências de que eles possam ficar doentes por uma infecção com este novo coronavírus. Além disso, atualmente não há evidências de que animais de estimação possam ser uma fonte de infecção para as pessoas. Mas mais uma vez, esta é uma situação em rápida evolução e as informações serão atualizadas à medida que estiverem disponíveis.




O que devo fazer se o meu animal de estimação desenvolver uma doença sem causa determinada e tiver tido contato com uma pessoa com a COVID-19?


Se o teu animal de estimação desenvolver uma doença sem causa definida depois de ser exposto a uma pessoa com a COVID-19, deves entrar em contacto com as autoridades de saúde. Não leves o animal a uma clínica ou hospital sem antes contactar um agente de saúde pública.




Qual é a resposta da World Small Animal Veterinary Association ao relato de que um cão foi "infectado" com COVID-19 em Hong Kong?


No dia 28 de Fevereiro, notícias de Hong Kong indicaram que o cão de um paciente infectado apresentava um resultado 'fraco positivo' para COVID-19.

A 5 de março, o Departamento de Agricultura, Pescas e Conservação de Hong Kong (AFCD) informou que foram testadas amostras nasais, orais, retais e fecais do cão, em 3 alturas diferentes. Nos dias 26 e 28 de fevereiro os esfregaços nasais e orais apresentaram resultados positivos, enquanto que a 2 de março apenas os esfregaços nasais apresentaram resultados positivos. As amostras retais e fecais apresentaram resultados negativos nas três ocasiões. Os testes, realizados tanto no laboratório veterinário do governo (AFCD), assim como no laboratório de diagnóstico para coronavírus humano da Universidade de Hong Kong (HKU), credenciado pela Organização Mundial de Saúde, detectaram uma carga viral baixa nos esfregaços nasais e orais. Ambos os laboratórios usaram a reação em cadeia da polimerase por transcriptase reversa em tempo real (RT-PCR) e os resultados indicam que havia uma pequena quantidade de RNA viral nas amostras. No entanto, não indicaram se as amostras contêm partículas virais intactas, que são as infeciosas, ou se eram apenas fragmentos do RNA, que não são contagiosos.


O resultado “fraco positivo” da amostra nasal colhida 5 dias após a remoção do cão da possível fonte de contaminação (a casa) sugere que o cão possui um baixo nível de infecção, que pode indicar que seja um caso de transmissão humana para animal. No entanto, ainda não há evidências de que os animais de estimação, cães e gatos, possam ser uma fonte de infecção para outros animais ou humanos.


A World Small Animal Veterinary Association recomenda que os proprietários dos animais de estimação em áreas onde há casos humanos conhecidos de COVID-19 continuem a seguir as informações aqui apresentadas, ou seja, lavar as mãos antes de interagir com os animais e, se estiverem doentes, usar máscaras.




Então, o que devo fazer para proteger os meus animais?


Para além das medidas preventivas descritas acima, é importante que incluas os teus patudos no teu plano familiar. No caso de tu ficares doente ou em quarentena, deves garantir comida para o teu animal de estimação durante esse possível período. Deves deixar os teus vizinhos ou amigos a par de todas as rotinas de alimentação, passeios ou medicação, no caso de não poderes estar em casa. Está preparado para o pior mas espera o melhor.




Resumindo, até ao momento, não há evidências de que os animais possam contrair este vírus, no entanto é recomendado que tenhas os mesmos cuidados com os teus patudos que tens com outras pessoas. Alimenta bem o teu melhor amigo e reforça o seu sistema imunitário. Fica em casa e evita contactos sociais, mas não te esqueças de manter a mente e corpo activos. Põe as tuas séries em dia, lê um livro, ensina novos truques ao teu patudo, protege-te a ti e aos teus. Vamos ajudar a conter a propagação do vírus!



Filipa Santiago, DVM



0 visualização